•Agência de Turismo
   •Beleza e Estética
   •Decoração
   •Diversão
   •Educação e Cursos
   •Gastronomia
   •Lazer
   •Meio Ambiente
   •Moda e Vestuário
   •Pet & Cia
   •Psicologia
   •Saúde
   •Turismo

Educação Emocional: trabalhando a Inteligência Emocional.

Compartilhe esta matéria com seus amigos !

A educação emocional tem o objetivo desenvolver a inteligência emocional. Mas você sabe o que é isso? Inteligência emocional é um conjunto específico de aptidões utilizadas no processamento e conhecimento das informações relacionadas à emoção. E todos nós precisamos dessa noção para nos tornar pessoas mais conscientes, equilibradas e sadias.
A inteligência que precisa ser aprendida. 
Sabemos que, desde pequenas, as crianças são capazes de sentir todas as emoções de um adulto, só que ainda não sabem como percebê-las, rotulá-las, compreendêlas, nem regulá-las e tudo isso precisa ser aprendido. 
Durante muito tempo, as emoções, nas escolas, ficaram esquecidas. O conceito de inteligência emocional ainda não existia. As questões emocionais também não eram abordadas em casa. Cada um aprendia a lidar com as suas emoções como conseguia.
Mas esse comportamento tem uma origem histórica: por vários séculos, a ideia que predominava era a de que somos humanos porque pensamos, não porque sentimos. Esta noção ganhou notoriedade, sobretudo, a partir do Século XVII, quando René Descartes publicou, em 1637, o livro Discours de la Méthode, onde há a máxima: “Penso, logo existo.”. Por isso, desde então,
ser inteligente, na sociedade ocidental passou a ser considerada uma propriedade da razão.
Tais noções começaram a ruir, pouco antes do início do Século XXI. Tornou-se cada vez mais claro que a inteligência acadêmica não era suficiente, nem para garantir êxito na vida profissional, nem felicidade na vida quotidiana. Os reflexos do pensamento racional.
Atualmente os valores morais passam por uma crise. 
Podemos perceber o aumento da criminalidade, da violência e infelicidade. Todos são reflexos dessa cultura que se preocupou apenas com o intelecto, esquecendo o lado emocional.
As emoções se apossam de nós com muita rapidez, antes mesmo de nos darmos conta de que já se instalaram. A mente racional, por outro lado, não decide que emoções teremos, ela apenas controla o curso da nossa
reação, pois não podemos decidir quando ficar tristes, furiosos, alegres, etc. Porém, as emoções são parte indispensável da natureza humana. Sem ela, seríamos psicopatas, ou seja, seríamos capazes de cometer as
maiores atrocidades com muita frieza e sem sentir culpa, nem arrependimento.
A mente emocional, no entanto, considera que suas crenças são totalmente verdadeiras e assim despreza qualquer coisa que lhe seja contrária. Por isso, é muito difícil fazer com que uma pessoa, com perturbação emocional, raciocine. Não há argumento, do ponto de vista lógico, que o faça rever suas convicções. Saber lidar com as emoções e ter inteligência emocional é,
portanto, fundamental para nossa vida.
Uma mudança de atitude.
Geralmente quando uma criança se machuca os pais falam: - Não foi nada não, já passou. Só que foi sim, e não passou. Está doendo ainda! Desta forma aprendemos, desde cedo, a negar o que estamos sentindo. E isso precisa ser mudado. 
Para desenvolver a consciência emocional devemos fazer um exercício de descrever as emoções sentidas, falando sobre elas. É fundamental sermos capazes de identificar as próprias emoções para entendê-las e, só depois, conseguir entender as emoções dos outros. Dentre as emoções mais comuns estão: Felicidade / Tristeza / Raiva / Alegria / Culpa / Arrependimento / Medo / Pavor / Ansiedade / Angústia / Desespero.
Segundo a terapia cognitivo-comportamental, podemos fazer um registro da seguinte forma:
Situação – Pensamento – Sentimento (Emoção, Estado de Humor) – Comportamento. Veja o exemplo: Situação: No colégio recebendo a prova de matemática.
Pensamento: Sou muito burro, tirei 2.
Sentimento: Tristeza.
Comportamento: Choro e isolamento.
Quando ficamos tristes ou com raiva precisamos fazer algo para nos sentir melhor. Precisamos gerar hábitos para nossa saúde mental. Podemos tentar um exercício e fazer as seguintes perguntas:
•O que sentimos? (Perceber e nomear o que sentimos)
•O que achamos de nós mesmos?
•Como nos relacionamos com os outros? (Você é empático? Você costuma se colocar no lugar do outro?)
•O que você faz para se sentir melhor? Ou o que você acha que pode fazer para melhorar o que está sentindo?
(Quando o que estiver sentindo não for agradável. Ex: Medo, raiva, ansiedade, tristeza, culpa).
•Vai prejudicar alguém? Se não for, faça!

Inteligência emocional é:
• A arte de ouvir - Capacidade de reconhecer os sentimentos próprios e dos outros.
• Empatia - Capacidade de sentir como o outro se sente (Colocar-se no lugar do outro).
• Autocontrole - Capacidade de controlar as próprias emoções.
• Resolução de conflitos - Capacidade de remediar danos emocionais (reparação).
• Cooperação - Capacidade de integração emocional e interatividade.
• Demonstrar afeto - elogiando, ouvindo alguém com atenção. Para avaliar o afeto, responda as seguintes perguntas:
- Você costuma demonstrar afeto?
- Você costuma elogiar as pessoas? Demonstra carinho para as pessoas que você gosta?
Importante:
Fazer novos amigos / Reconciliar-se / Ajudar um amigo / Achar boas soluções para nossos conflitos / Lidar com ameaças / Resolver problemas / Ajudar os outros a resolver conflitos / Dar carinho aos outros / Pedir carinho / Aceitar ou rejeitar carinho / Dar carinho a nós mesmos / Pedir desculpas por nossos erros / Aceitar ou recusar pedidos de desculpas / Pedir perdão
/ Conceder ou negar perdão / Fazer afirmações de Ação – Sentimento / Aceitar uma afirmação de Ação- Sentimento, são formas de treinar e ajudar a termos mais consciência emocional.
Para ajudar, sempre tenha em mente a seguinte afirmação: quando você (ação), eu sinto (emoção).
•Exemplo 1: Quando você grita comigo eu sinto muita raiva.
•Exemplo 2: Quando você me elogia, sinto felicidade.
•Exemplo 3: Quando você me ignora, sinto tristeza.
Segundo os especialistas, só quando conseguimos avaliar com exatidão o que os outros sentem é que podemos reagir de forma solidária. Não se pode pretender ensinar solidariedade, sem antes educar emocionalmente. O amor é a essência da educação emocional. A inteligência emocional não existe dissociada do sentimento de amor. Educação emocional tem tudo a ver com o amor a si mesmo, ao próximo e à verdade. 
Que tal treinar a sua inteligência emocional?

Aline Cataldi - Psicóloga (PUC) - CRP:05/29285
Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)
Mestre em Saúde Mental (UFRJ)
www.alinecataldi.com.br / facebook: /linecataldipsi
Consultórios: Centro, Barra e Tijuca.

 

 

 



Você pode pagar seu anúncio com :