•Agência de Turismo
   •Beleza e Estética
   •Decoração
   •Diversão
   •Educação e Cursos
   •Gastronomia
   •Lazer
   •Meio Ambiente
   •Moda e Vestuário
   •Pet & Cia
   •Psicologia
   •Saúde
   •Turismo

Crianças e compras: uma relação delicada.

Compartilhe esta matéria com seus amigos !
O natal está chegando. As crianças mais novas já estão escrevendo suas cartas para o Papai Noel. As mais crescidas, estão elaborando suas listas de presentes.
Mas independente da idade, os pais já começam a entrar em desespero: aparelhos eletrônicos, bicicletas, bonecas, vídeo games e, se duvidar, produtos que você, pai ou mãe, sequer sabia que existiam. Porém, a questão vai ainda mais longe. Entre satisfazer um desejo e equilibrar o orçamento, os pais devem ficar atentos para não gerarem adultos consumistas compulsivos e irresponsáveis com dinheiro. A tarefa não é fácil, mas a Revista Help.Com vai ajudar você nesta verdadeira aula de economia.
Eu tenho, você não tem.
Para um crescimento saudável, as crianças precisam experimentar. Isso passa por comidas, esportes e, até mesmo, por brinquedos. Com a pouca idade, nós não temos o discernimento para saber com exatidão aquilo que realmente precisamos e por isso, o mais comum é ouvir as crianças pedindo tudo ao redor, seja o sorvete na geladeira ou a boneca que viram no comercial da TV. Há ainda outro fator, nesta idade, todo ser humano é ainda mais suscetível aos estímulos, que podem ser visuais, como os brinquedos cheios de cores e luzes, olfativos, como tênis e sandálias com cheiro de chiclete e o mais potente de todos: a influência de outras crianças. Qual pai já não escutou a frase: “Eu quero porque meu amiguinho tem!”? Junte a esta combinação, pais que tentam compensar a ausência e
a falta de tempo com bens materiais e a equação não poderia ter um resultado mais catastrófico: pessoas que crescem acreditando que podem ter tudo e que o prazer só é encontrado através das compras.
Usando o poder do não.
Para ensinar os filhos, os pais também devem aprender. Principalmente a dizer não. Muitas vezes é difícil negar o pedido de um filho, mesmo quando
é carinhoso, se comporta bem ou tira boas notas, mas saber negar é fundamental para impor limites ao consumo desenfreado. Para ajudar você e seu filho a acharem o equilíbrio entre necessidade e desejo, elaboramos algumas regras que podem fazer uma enorme diferença:
Não tenha medo de dizer não:
seja firme e explique o porquê.
Dê o exemplo:
de que adianta negar tudo ao filho se você sequer consegue conter o limite do cartão de crédito?
Estipule regras e valores:
antes de sair às compras, combine o que será comprado e qual valor ele poderá gastar.
Não use recompensas para sua ausência: o que seu filho mais deseja é a sua atenção, carinho e amor. Ao invés de presentes, invista o seu tempo com a criança em atividades que aproximem e estreitem os laços de amizade.
Assim você verá que é fácil de satisfazer os desejos das crianças e, ao mesmo tempo, preparar seu filho para ser um ótimo adulto.

 

 

 

 



Você pode pagar seu anúncio com :